sábado, 15 de abril de 2017

Do risco de sermos injustos

Por Fernando Castilho



Neste momento, mais que julgar sem ter atribuição para isso e o devido conhecimento acerca do que está sendo divulgado, devemos ter equilíbrio, sensatez e paciência sob pena de cometermos injustiças e assassinatos de reputações.

Sobre o tsunami que devastou a classe política esta semana.

1 – A lista de Fachin, oriunda de delações de executivos da Odebrecht em que cita um grande número de políticos, pode estar misturando os culpados de sempre com gente que até outro dia possuía uma biografia sem reparos. Temos que ter cuidado para não destruirmos reputações injustamente.

2 – As delações precisam ser provadas para que possam se constituir em elementos hábeis a condenar. Portanto, até que se prove o contrário, todos, de direita e de esquerda.

3 – Marcelo Odebrecht, um homem milionário, habituado a viver como um príncipe, está preso preventivamente há 2 anos em uma cela com privada turca e banho frio. Normalmente, um homem desses, cuja ética não é um de seus maiores valores, submetido a uma provação dessas, não hesitaria em delatar qualquer um para livrar seu pescoço. Portanto, cuidado para não pré julgar.

4 – Todas essas delações que tomaram vários dias de Jornal Nacional, foram vazadas em pleno arrepio da lei, o que normalmente as tornariam ilegais. Ainda por cima, uma delação foi vazada em tempo real para o site Antagonista, sob olhares do juiz Moro que não fez caso da denúncia.

5 – Emílio Odebrecht denunciou a hipocrisia da imprensa que há 30 anos pelo menos, como todos nós, aliás, sabe que caixa 2 para candidaturas existe. A Rede Globo tenta parecer antisséptica no meio de uma sujeira da qual ela própria participa desde que conseguiu seu enorme upgrade ao apoiar a ditadura. Além disso, deve uma fortuna à Receita Federal.

6 – Fica fácil à primeira vista responsabilizar o candidato pelo caixa 2. Porém, quem já acompanhou campanhas eleitorais sabe que a captação de recursos, sejam eles caixa 1 ou 2, cabe aos tesoureiros dos partidos que viabilizam essas campanhas. Portanto, devagar com o andor ao culpar os políticos.
É preciso que se investigue a participação direta deles.

7 – O Jornal Nacional, principal órgão de imprensa que se apropria de corações e mentes de todas as classes sociais, ocupa mais da metade de seu tempo tentando incriminar Lula, omitindo que Marcelo Odebrecht afirmou que o ex-presidente nunca lhe pediu dinheiro. Sobre Dilma, o JN afirma que ela foi citada mas esconde que Marcelo disse que a empresa tinha enorme dificuldade em se aproximar dela. Portanto, não há nada contra Dilma.

8 – Enquanto o JN incrimina Lula sem provas, Temer, Aécio e Serra que já têm inúmeras provas contra eles, continuam sendo poupados pelos jornais.

9 – Percebe-se que o ataque a Lula vem muito mais da imprensa que, sem cessar, rumina trechos editados, do que das delações.

10 – A intenção desse enorme teatro montado é dar fundamento a Moro para que este mande prender Lula preventivamente antes de seu depoimento em 3 de maio, esfriando assim a caravana que a esquerda prepara para esse dia.

Portanto, caso isso aconteça, estejamos preparados.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Por que 3 de maio é o dia D?

Por Fernando Castilho


Foto: Ricardo Stuckert


Moro quer e TEM que condenar Lula em primeira instância. A ele foi dada essa missão pelo imperialismo americano e ele haverá de cumpri-la até porque é o que grande parte da população brasileira de direita anseia.


Em tempos de modernidade líquida na política brasileira, fica extremamente difícil fazer uma análise de conjuntura sem que já na próxima semana ou mesmo nos próximos dias ela caia por terra devido a fatos novos que aparecem.

Ficou escancarado para a direita que, segundo pesquisas recentes, Lula é disparado o nome favorito para a presidência em 2018.

Mas vejamos, o presidente golpista Temer, apesar de correr o risco de ser cassado pelo TSE, dará um jeito de prorrogar sua saída para depois das eleições em 2018. Portanto, somente sua renúncia poderia tirá-lo do poder agora.

Apesar de não ter aprovação quase que nenhuma do povo brasileiro, parece que ele, incumbido pelo imperialismo, da missão de rapidamente destruir todos os programas sociais, resistirá bravamente.

Se não resistir, haverá eleição indireta e ele poderá se candidatar com a certeza de vencer já que nosso congresso faz o mesmo jogo. A menos que o TSE o declare inelegível. Daí as eleições deverão ser diretas e Lula não deverá ser candidato a um mandato tampão curto.

Moro quer e TEM que condenar Lula em primeira instância. A ele foi dada essa missão pelo imperialismo americano e ele haverá de cumpri-la até porque é o que grande parte da população brasileira de direita anseia.

Se condenado for, Lula apelará para a segunda instância, na qual, claro, o circo já estará armado para, em rito sumário, prendê-lo.

Pelo menos é o que me garantiu um juiz federal que conhece Moro e os demais juizes de segunda instância. Não duvido dele.

Alguém perguntará, como eu perguntei: e as provas?

Não, não haverá necessidade disso, já que estamos num estado de exceção e desta forma, a decisão de um juiz será o que valerá.

Mas caso Moro não consiga seu intento, Lula disparará na campanha, pelo menos até a direita passar a bola para outra grande força política do Brasil.

A grande mídia tornará a vida de Lula um inferno. Se sempre foi difícil para Lula, imagine o quanto ficará.

Ilações e mentiras se transformarão em grandes escândalos diariamente no Jornal Nacional para que sua imagem seja estraçalhada perante o eleitor.

Mas a falta de adversários beneficiará Lula.

A principal força política concorrente do PT, o PSDB, está em guerra e não tem mais nomes que a população possa apoiar.

Aécio, Serra e Alckmin estão sem nenhuma credibilidade segundo as pesquisas de opinião.

Nesse vácuo surgem nomes de aventureiros como João Doria, o prefeito de São Paulo que até agora, três meses depois de assumir o poder, só fez marketing e não administrou a cidade.

Assistimos outros, como Huck e Justus se apresentarem sem nenhum pudor, como se qualquer um pudesse de repente se arvorar na condição de governar um país tão grande e desigual como o Brasil.

Muitos podem temer uma vitória de Bolsonaro mas é preciso lembrar que ele não tem tantos votos entre as mulheres, os gays e negros como entre os homens brancos, héteros e incultos.

Portanto, depende de Moro a vitória de Lula em 2018.

Por que Moro ainda não condenou Lula?

Por que 73 testemunhas o inocentaram no caso do tríplex?

Ingenuidade.

Ele está observando as manifestações e monitorando a mobilização da população como um termômetro. Quando o momento for favorável, ele condena.

Dia 3 de maio Lula irá a Curitiba para ficar frente a frente com Moro para depor.
Caso tudo transcorra normalmente, podem escrever, Lula já era.

Caso haja realmente a mobilização que está sendo convocada para defender o ex-presidente e esta for de peso, Moro recua.

Portanto, depende de todos nós que pudermos estar em Curitiba dia 3 maio influir sobre a sorte de um homem que tirou 30 milhões de pessoas da miséria e que não cometeu crime algum.

Depende de nós inocentar Lula para que ele, uma vez investido de maneira legítima novamente ao poder, possa ter a chance de anular todo esse estrago cometido pelo governo golpista e conduzir o país de volta ao crescimento.

3 de maio é o Dia D para Lula e para o povo brasileiro.