quinta-feira, 14 de agosto de 2014

De nossa parte não haverá baixeza

Por Fernando Castilho


Eduardo Campos faleceu tragicamente.

Bem, todo mundo já sabe, todo mundo já falou, nem é preciso ficar descrevendo em que circunstâncias o fato ocorreu.

Este blog não explorará o assunto, nem especulará sobre os desdobramentos do triste acontecimento, durante três dias, o tempo que levará o luto oficial decretado pela Presidenta da República.

Não é justo. Não é humano.


O blogueiro escreverá sim, sobre outros temas. Tivesse Dilma Rousseff sido entrevistada pelo Jornal Nacional, com certeza analisaria seu desempenho.

Mas sobre Eduardo Campos ou Marina, não.

Sem resvalar na pieguice, o blog está triste por alguns motivos que pode captar nas redes sociais.

Um homem pai de 5 filhos, com futuro político pela frente (quer se elegesse presidente ou não), de repente, sem nenhum aviso, desaparece.

Li primeiro sobre o ocorrido no Uol. Os comentários dos leitores foram de uma baixeza imensa. Nem é preciso documentá-los aqui.

As piadas, longe de serem engraçadas, denunciavam seus autores como ''gente'' insensível, no limite daquilo que ainda possa ser chamado de ser humano.

As especulações com o número 13 correram soltas pela rede. Mais baixeza.

As especulações com relação à possibilidade de Marina Silva assumir a candidatura ou não, também logo em seguida começaram. Muito cedo para isso, não, Merval Pereira? Não, Arnaldo Jabor? Baixeza.

A Folha não esperou nem o defunto esfriar e já iniciou uma pesquisa Datafolha inquirindo as pessoas sobre seu desejo ou não de que Marina saísse candidata pelo PSB. Muita baixeza.

O quadro político eleitoral vai mudar, com certeza. E muito.

Mas esse retiro de três dias só fará bem aos blogueiros, que terão o tempo necessário para refletir um pouco sobre a efemeridade da vida, além de poderem juntar melhor as peças no novo tabuleiro que se desenhará.

De nossa parte não haverá baixeza.



Nenhum comentário:

Postar um comentário