terça-feira, 6 de maio de 2014

Outras leituras sobre a pesquisa IstoÉ/Sensus

Por Fernando Castilho

A Pesquisa IstoÉ/Sensus que foi realizada em campo entre 22 a 25 de abril e publicada em 3 de maio de 2014, mostrou algumas coisas bem interessantes.
Embora pareça artificial em seus resultados, uma vez que não utilizou os cartões circulares, mas apresentou aos entrevistados cartões com os nomes dos candidatos em ordem alfabética, do que certamente se beneficiou Aécio Neves, cabem algumas outras considerações. Clique aqui  para ler a pesquisa.

Primeiro: A publicação se deu aproximadamente 10 dias depois de ter sido feita a pesquisa de campo. Em que pese que há um tempo para a tabulação, me parece que 10 dias é um período de tempo muito longo.

Cabe uma especulação: será que o instituto esperava algum desdobramento mais sério do caso Pasadena, ou do laboratório Labogen, para no mesmo momento publicar a pesquisa, como que a representar dessa forma o resultado da indignação da população?
Como a mídia praticamente parou de falar sobre o assunto (por que será), teve que publicar assim mesmo. Ou deixaram para divulgar após o pronunciamento da presidenta Dilma Rousseff pelo dia do Trabalho, como se a pesquisa já tivesse captado este momento.

Segundo: Cadê o cenário com Marina, ao invés de Campos? Não interessa ao Sensus elevar Marina, mas sim Aécio? Claro que não, pois Ricardo Guedes Ferreira Pinto, diretor do instituto é ligado ao PSDB. Ele está em campanha.

Terceiro: Na pergunta por voto espontâneo, Marina, que até então mostrava superioridade sobre Campos, aparece com 2,4% enquanto Campos tem 3,1%.

Quarto: Na identificação partidária espontânea, que mede a preferência do eleitorado por determinado partido, o PT aparece em 1º lugar com 9,6%, quase o dobro do PSDB que tem 5,1%. Reparem que o PMDB da base aliada aparece em 3º lugar com 2,3%. Se somarmos os votos no PT com os do PMDB temos 11,9%. O que sugere que Dilma e o PT façam uma campanha de modo a relacionar a Presidenta mais intimamente ligada com o partido e também com Lula, sua expressão maior.

IstoÉ


Embora o PMDB nos estados sempre faça campanhas independentes a eleger seus governadores, por força da expressão de votos de Dilma, ele há que ligar também o nome do partido às realizações do Governo no âmbito social.

Observem também também o que mais aflige o eleitor: Saúde com 44,6% aparece em 1º lugar! É urgente que Dilma faça link entre os problemas da saúde e sua resposta acontecendo agora mesmo com o Programa Mais Médicos. Ou seja, falta divulgação das medidas que o Governo está tomando.

Quinta: A considerar a pesquisa como séria e crível, Eduardo Campos já pode jogar a toalha. Tendo as mesmas propostas (?) de Aécio, não há como reagir. Porém sua utilidade para o PSDB é imensa, pois só com ele ainda em campanha Aécio consegue ir para o 2º turno. Numa eventual desistência de Campos (o que duvido), seus votos seriam divididos, e nem todos migrariam para o tucano.

Há ainda que se considerar que, em caso de desistência de Campos, Marina não vai poder ter a Rede Sustentabilidade como seu partido a prosseguir. Teria ela que assumir a cabeça de chapa do PSB. Mas como o Sensus não colocou seu nome em nenhum cenário, fica difícil avaliar o que poderá acontecer.

Todas essas dúvidas poderão ser sanadas após o resultado da pesquisa Datafolha que está por vir. Já sabemos que poderá ser nos mesmos moldes da Sensus, sem cartão circular, mas certamente dará um indicativo melhor da situação eleitoral.

IstoÉ



Nenhum comentário:

Postar um comentário